Seguidores

25 de outubro de 2007

Um obrigado a todos que estão atentos ao nosso trabalho

Os comentários, mensagens, e publicações sobre nós em outros blogs, multiplicaram-se por estes dias. A todos os que nos enviaram mensagens de apoio, a todos os que nos continuam a ajudar a levar o nosso trabalho ainda mais longe, um grande Bem-Haja!
Agradecemos que caso deixem comentários nos indiquem sempre o email para que possamos contactar directamente. muito obrigada.
Pode ler mais sobre o prémio que nos foi atribuído nos seguintes links (é só clicar)

Micas

Jornal Regional

Gazeta das Caldas

Documento sobre as Capuchinhas- Soroptimista

SoroptimistPoirtugal

DNonline

...

Tecelãs de Castro Daire premiadas por ONG suíça


"Campo Benfeito. Numa das muitas escolas primárias que encerraram, os risos da criançada foram substituídos pela cadência dos teares. É nesta escola que quatro mulheres trabalham por entre teares e uma grande mesa onde, com linho e burel, criam peças singulares que vão tornando-se conhecidas no País. Esta semana foram premiadas por uma organização não governamental (ONG) suíça por preservarem o trabalho da mulher no meio rural. A aldeia de Campo Benfeito, concelho de Castro Daire, distrito de Viseu, tem 53 habitantes. É aqui que está a sede das Capuchinhas, uma cooperativa de produção e venda de vestuário, constituída por quatro mulheres. Desde 1987 que Ester, Isabel, Henriqueta e Engrácia dão vida a um projecto que produz peças de burel, linho e lã. Em 1986, duas delas frequentaram um curso de corte e costura no Instituto de Assuntos Culturais. Aprendida a arte, as mulheres iniciaram a produção de vestuário de lã e linho num velho tear manual. A autarquia de Castro Daire cedeu a escola e às duas primeiras juntaram-se outras duas. No início não trabalhavam a tempo inteiro. De há cinco anos para cá trabalham com uma estilista uma colecção anual. Com os anciãos aprenderam a usar o líquen dos carvalhos, fetos, urzes e amoras como corantes para as lãs. Ao todo fabricam cem peças por mês. De Janeiro a Abril "vende-se pouco, depois é sempre a produzir", adianta Engrácia que não esconde que os ganhos ainda são poucos. "O salário mínimo, mas trabalhamos na nossa terra o que é uma grande riqueza." E que fazem? Blusas, vestidos, saias, casaco e camisas para homem. Os preços estão afixados à entrada do atelier: entre 40 e 160 euros compra-se todo um vestuário feito de saberes tradicionais. Pela loja passam cerca de 60 pessoas por mês que "vêm cá comprar quando vêm ver a aldeia. O resto das vendas fazem-se em três feiras, no Natal, no Porto, em Coimbra e Lisboa", diz Henriqueta. As Capuchinhas [www.capuchinhas.blogspot.com] são hoje o fiel depositário do património de Montemuro que, por via das peças que fazem, renasceu e tem assegurado uns longos anos de vida. Enquanto o Inverno for frio e o sol de Verão inclemente."


AMADEU ARAÚJO, ViseuHERNÂNI PEREIRA (imagem)

18 de outubro de 2007


Posted by Picasa
Pela Primeira vez em Portugal!
Capuchinhas CRL - recebem Prémio Criatividade em Meio Rural

Sob proposta do recém criado Clube Soroptimista Internacional das Caldas da Rainha, o Grupo de Mulheres "As Capuchinhas" do Montemuro, da aldeia de Campo Benfeito em Castro Daire, candidatou-se ao prémio internacional de "CRIATIVIDADE - PARA MULHERES EM MEIO RURAL", instituído pela Women´s World Summit Foundation, com sede em Genéve e criado na sequência da Conferência de Pequim sobre a Mulher.
Este prémio é atribuido desde 1996, a mulheres rurais, de todo o mundo, que tenham desenvolvido um projecto auto-sustentável utilizando a sua criatividade para alterar significativamente a sua vida e do meio em que se inserem.
O prémio foi entregue no dia 15 de Outubro, pelas 19:00horas, no Auditório da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha .

Mais info em:

www.woman.ch/women/1-laureates.php#

Capuchinhas:

Telf.: (+351) 254 689 160